P R A G A T E C N O

rede colaborativa em torno da cultura do dj e cibercultura, cultura livre

Dj Adriana Prates toca na Sexta Cênica Queer, em Salvador

O Projeto Sexta Cênica surgiu em 2003 por iniciativa do artista e professor Paco Gomes, com a intenção de criar um espaço alternativo para fomentação em dança.  É um espaço para experimentar novas idéias e oportunizar ao público entrar em contato com pequenos e grandes espetáculos artísticos. O Sexta acolhe todo e qualquer artista, sem cobrar pauta de teatro, tendo como primeiro e maior objetivo a divulgação das diferentes formas de cultura, da forma mais democrática possível, sem preocupações com sua origem. O caráter popular do projeto faz dele um grande sucesso no meio artístico, principalmente o da dança, com participação ativa da comunidade tanto para as apresenções quanto para a apreciação.

o Projeto Sexta Cênica tem apoio da Escola de dança da Fundação Cultural – Cursos Livres, acontece todas as segundas sextas-feiras do mês, no Pelourinho e é gratuito o acesso do público.

Atendendo ao pedido de alguns artístas, pesquisadores, parceiros e mostrando mais uma vez seu caráter democrático, o  Pojeto Sexta Cênica do dia 13 de julho 2012 será especial é inteiramente dedicada a um tema. Será: O Sexta Cênica Queer.

A palavra “QUEER”, utilizada originalmente como insulto aos homossexuais, pode ser traduzida como estranho, ridículo ou excêntrico. A idéia dos estudiosos queer é positivar o insulto, passando a exaltar o queer como uma prática de vida, que se coloca contra normas sociais excludentes. Segundo Judith Butler, expoente dos estudos queer, o gênero é performativo porque é resultante de um regime que regula as diferenças do gênero, e, neste sentido,  a política queer adota a condição marginal para afrontar a heteronormatividade.

A teoria Queer tem constituído um apoio para a reflexão sobre as novas funcionalidades que os corpos contemporâneos vêm pouco a pouco assumindo, revelando o esgarçamento das fronteiras entre os sexos. A teoria Queer é na verdade um conjunto de estudos que têm em comum a busca pela acentuação das descontinuidades entre sexo-gênero e desejo, que surgiu no final dos anos 80, especialmente nos Estados Unidos.

Nesta sexta-feira 13, às 18h30 na Escola de Dança do Pelourinho (Salvador) – Gratis. Participação da dj Adriana Prates.

Sobre pragatecno

Um coletivo, uma rede norte nordeste em torno da cultura do dj A idéia é a troca de informação, parcerias, cultura livre, rede colaborativa em torno da cultura do dj e cibercultura O Pragatecno, criado em 24 de janeiro de 1998, é um núcleo de e-music no norte-nordeste. Sua idéia principal é procurar trazer à tona as novidades da cultura experimental, não comercial da música eletrônica e cibercultura, através da troca de informação entre djs e produtores nessas regiões. O Pragatecno defende que a cultura da música eletrônica é uma expressão artística da Cibercultura. “Música eletrônica é arte experimental, é arte contemporânea”, defende o grupo em seu site (www.pragatecno.com.br). Fazem parte dessa conexão djs parceiros que atuam nas cidades de Belém do Pará, São Luis, Fortaleza, João Pessoa, Maceió e Salvador. Podemos definir o Pragatecno como uma conexão norte e nordeste para fortalecer a cultura experimental da música eletrônica.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Informação

Publicado às 12/07/2012 por em FESTA, LIVE/SHOW e marcado , , , .
%d blogueiros gostam disto: