O DJ brasileiro Benjamin Ferreira lança o o single From Me pela londrina Midnight Riot Records

DJ Benjamin Ferreira, em foto de Paulo Watanabe
DJ Benjamin Ferreira, em foto de Paulo Watanabe

Já disponível para compra on line, o single From Me terá lançamento oficial em São Paulo nesta sexta-feira (29/06), no porão do Jazz Nos Fundos (Cardeal Arcoverde, 742, Pinheiros. São Paulo), da meia-noite às 6 da manha. A festa terá os DJs Benjamin Ferreira e Renato Cohen comandando a noite com disco, techno, brazuca, afro, house, acid, italo etc…  Confira on line: https://www.sympla.com.br/benja-e-cohen-no-porao-do-jazz-nos-fundos__310222

Abaixo trazemos uma entrevista com Benjamin Ferreira sobre esse seu novo projeto, suas influencias musicais e parcerias. Nascido em Belém e baseado em São Paulo há mais de uma década, Benjamin Ferreira é DJ desde meados dos anos 1990. Toca freqüentemente em clubes e festas itinerantes paulistanas e grandes eventos como a Virada Cultural e o festival Dekmantel. Também se apresenta regularmente em outros estados brasileiros e já levou seu som a países como Inglaterra e Itália. Sua pesquisa musical é abrangente: baseada em house, disco e techno, envolve fortes influências de jazz, soul, funk, música brasileira, latina e africana. 

Benjamin também é produtor e tem músicas lançadas pelos selos ingleses Midnight Riot Records (que já lançou Chaka Khan e The Black Madonna, entre outros) e Faze Action Records. É residente da festa Ursound e organiza as noites Stay Free (voltada exclusivamente à disco music) e Tônica (com Renato Cohen e Thiago Guiselini).Além do trabalho de DJ e produtor, Benjamin também atua em outras frentes: escreve sobre música, com entrevistas e resenhas em publicações como Rraurl.com, Deep Beep e DJ Mag, e ministra palestras sobre música e cultura do DJ em eventos como Virada Cultural (SP), Pragatecno (BA) e Paisagem Sonora (BA).

(entrevista a Cláudio Manoel Duarte, http://www.pragatecno.com.br)

– Você sempre atuou como DJ e produtor cultural e, nesse momento, envereda pelos caminhos da produção musical, que parece ser um caminho natural para os djs – correto?
Coincidência – acabei de ver uma entrevista de David Morales de 2015 em que uma das dicas que ele dá a novos DJs é que também façam música, porque isso ajuda a tocar melhor. Só que eu resisti durante muito tempo. Cheguei a lançar dois remixes em 2010 com o multiinstrumentista, produtor e DJ Erico Theobaldo, mas parei de novo e continuei focando na discotecagem, até que ano passado resolvi voltar, e hoje estou na ativa com o apoio de gente como Guilherme Lopes (metade do Drumagick), Renato Cohen e mais recentemente o também músico, produtor e DJ Vitor Kurc. É um longo caminho que só estou começando, e ele requer uma disciplina que ainda estou tentando criar, mas sigo na luta!
– Sabemos de sua trajetória que vem desde a techno music, como DJ de eletrônica, mas sempre com pesquisas em outros gênero como a house music e a disco music, além da soul music e funk. Mesmo quando um DJ se dedica mais a uma vertente musical, qual a importância/necessidade de estar fazendo pesquisa musical em outros gêneros e como isso repercute em seu sets?
Um grande amigo diz que não consegue entender DJs com um certo tempo de carreira que se dedicam a apenas um tipo de música. Existe tanta música boa e diferente por aí, então é um desperdício não abrir os ouvidos para as várias sonoridades que esse mundão oferece. Além disso, à medida que a frequência de gigs começa a aumentar, convites para diferentes tipos de festas são constantes, então uma flexibilidade musical aliada a um fio condutor que dê coerência a essa pluralidade são primordiais para o trabalho do DJ. Claro que isso também é um grande desafio e nem sempre o artista vai acertar, mas sair da zona de conforto é enriquecedor e gratificante.
– Seu single From Me é lançado pela Midnight Riot Records, um selo inglês independente. Em tempos de circulação livre de conteúdos na internet, ainda é importante o produtor se associar selos, gravadoras e editoras?
Sim! Vejo como dois caminhos diferentes, mas ambos são válidos e podem coexistir nos tempos atuais. É muito empolgante ver a possibilidade de ter acesso gratuito e legal a conteúdos de qualidade, mas isso requer um tipo de trabalho, de habilidades que nem todos têm. Muitos ainda funcionam melhor trabalhando do modo, digamos, “tradicional”, com associação a selos e gravadoras, e isso é perfeitamente viável também. Eu tenho alguns trabalhos disponíveis gratuitamente no meu Soundcloud: uns fiz sozinho, outros com gente como DJ Marky e Bernardo Pinheiro, e pretendo liberar outros trabalhos no futuro porque amo essa ideia, mas fazer parte do cast de um selo como o Midnight Riot também me deixa extremamente honrado.
– Em seu single há uma faixa remixada pelo produtor e DJ brasileiro Renato Cohen. Os remixes estão sempre presentes em EPs e singles, como uma forma de apresentar um outro sentimento da mesma música. É essa a idéia na versão de Cohen para sua track?
“From Me” é uma faixa com estrutura simples e minhas influências na idealização dela vêm dos trabalhos antigos do Daft Punk, de selos como o Crydamoure, e de produtores mais recentes como Sound Stream e Tiger & Woods. House loopadão com sample de disco music, funky, groovy, despretensioso. Aí vem o Cohen e leva a música pra um outro nível lindo que nem eu mesmo sei definir. É techno mas tem o pé na house, é picotada (coisa que eu adoro também), e tem reminiscências de selos como  Dirtybird e até bass music… Sou extremamente grato ao Renato pela possibilidade de ter no meu primeiro release um remix com tanto esmero e talento dele, embora dizer isso de um artista como ele soe até redundante.
frome_banjamin
SOBRE A  Midnight Riot Records
A Midnight Riot Records, fundada por Yam Who?, define-se como uma gravadora independente localizada em Londres, dedicada a lançar músicas de qualidade de todo o mundo! Sobre o Yam Who? – DJ’s, músicos, produtores, colecionadores, estudantes e donos de 2 grandes gravadoras Ism Records e Midnight Riot, criado em 2012, Yam Who? ganhou notoriedade internacional por suas reedições e remixes inovadores e habilidades de produção no início de 2003 e ninguém sabia de onde eles vieram! O duo é inspirado por Quincy Jones, por Funkadelic, por Herbie Hancock, por Theo Parrish, por Leroy Burgess, por Maurice Fulton, por Patrick Adams & Principe. Dirigido para alcançar uma identidade musical clara e um alto nível de qualidade sonora Yam Who? Lançou músicas de  NYC Odyssey, Joey Negro, Imagination, Late Nite Tuff Guy, Kon, Ron Basejam, Rayko, Ashley Beedle, Faze Action, Pete Herbert, Soul Clap, Danielle Baldelli, John Morales, Streetgang PBR, Leo Zero, Mark E, Dead Rose Music Company e inúmeros outros. Yam Quem? tocou e/ou remixou nomes como John Legend, Azymuth, The Roots, Joss Stone, Sunburst, Crazy P, Zero 7, Will Smith e Jazzy Jeff, Amp Fiddler, Jill Scott, Rafael Saadiq, Grace Jones. (Parte da nota oficial, traduzida).
Agora é a vez do nosso brasileiro Benjamin Ferreira, novo artista do Midnight Riot Records.
Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s