P R A G A T E C N O

rede colaborativa em torno da cultura do dj e cibercultura, cultura livre

Glossário

GLOSSÁRIO (cultura da música eletrônica/cibercultura)

logopragacor72pequena

After-hours – Programação de clubes que tem início normalmente às quatro, cinco da manhã e se estende até o final da manhã.

Ambient Music – Seu crescimento acontece no inícios dos anos 90, mas suas origens remetem a Brian Eno, no ano 70, com sua música minimalista. Música basicamente de texturas, sem batidas, com notas longas e etéreas e melodia lenta (quando aparece algum ritmo está desaceleradíssimo), não voltada para as pistas. Uma das característica desse estilo é, às vezes, a citação de sons do ambiente (vento, mar, barulhos caseiros, vozes…). Há o Illbient que é a versão dark, negra, sombria, da Ambient Music. O Illbient tem como local de referência Nova York e como principal expoente o dj Spooky.

Beat – Batida, a junção do bumbo e caixa (pedal), a base do ritmo.

Back spin – Técnica do dj em volta rapidamente o disco.

Back to back – Técnica do dj em voltar dois discos em diferentes “pratos”dos toca-discos, buscando a fusão de batidas ou texturas dos dois discos de forma sincronizada. O back to back pod ser entendido também como a apresentação conjunta de dois djs em revezamento de uma a duas música para cada um, sendo quem alterna para o outro.

Big Beat – Acelerando as batidas quebradas do hip hop e as vezes fundindo com as do funk, esse estilo pode incluir distorções de riffs de guitarras. É o som mais acessível da eletrônica e se assemelha ao rock. Em torno de 120 bpm.

BPM – Batidas por minuto, a velocidade do ritmo.

Chats -sala virtual de bate-papo.

Chart (top ten) – Parada de sucesso dos djs (as 10 mais…)

Chill In – Aquecimento. Uma reunião de clubbers, um bar, um encontro para ouvir música eletrônica antes das festas ou saída para os clubes. Pode ser na casa de amigos.

Chill Out – Relaxamento. Ambiente com música menos acelerada, um pós-agitação das pistas de dança. Pode ser na casa de amigos.

Clubber- freqüentador de clubes

Conceito – Conjunto de idéias que norteiam a concepção de um evento.

Crackeados – programas pagos que tiveram seu código de controle de uso limitado quebrados, se tornando freeware circunstancial.

Cultura Clubber – Conjunto de manifestações associadas à cultura nos clubes noturno de dança (moda; djs, disco e house music, principalmente). Não faz necessariamente conexão com a Cibercultura. Faz-se uma associação da Cultura Clubber, em suas origens, com a época Disco, nos anos 70.

Designer – Artista que trabalha com imagem, na concepção de flyers, sites ou mesmo na ambientação de festas

Download – Designa o “baixamento”de arquivos na internet.

Downtempo – Música desacelerada, não voltada para as pistas, mas com ritmo.

Dj – Disc Jockey. Artista-técnico que mistura músicas diferentes ou iguais para ser ouvida e/ou dançada, usando suportes como vinil, cd ou arquivos digitais sonoros.

Djing – A ação ou conjunto de técnicas do dj (scratch, mixar, remixar, back-to-back, back-spin etc).

Drum and Bass – Saído dos guetos negros de Londres (1991/92) esse estilo, antes chamado de Hardcore quando saído da cena Hip Hop, associa os baixos potentes com batidas sincopadas. Pode se associar a outras estéticas, como o Jazz, fazendo surgir o jazzy drum and bass, ou no caso brasileiro à MPB, com os djs e produtores Marky, Xerxes e Patife. 160 bpms.

Drum machine – Caixa de geração de beats.

Dub – Originado das experiências dos negros da Jamaica, ainda nos anos 60, tendo à frente o produtor Lee Perry, que destaca a montagem e a técnica como fundamentais para o resultado da música. É a tecnologia definindo a estética. O dub eletrônico utiliza timbres do reggae, com batidas lentas, reverberadas e efeitos etéreos. O efeito delay (distorção que faz com que o som ganhe uma textura de espacialidade, de tridimensionalidade) é um elemento importante do dub eletrônico. Pode ter vocal.

Electronica – Estilo gerado pela eletrônica, mas sem uma definição específica. Normalmente se refere a toda uma produção de um grupo que prefere não se definir por alguma vertente em particular.

Eletro – estilo musical originado a partir de experiência do Krafwerk e difundido por Afrika Bambaataa. Em Detroit, sede e origem do Techno, o Eletro passou também a ser intensamente produzido formando uma outra comunidade de produtores e djs. O estilo quebrado da batida é a versão eletrônica do funk (eletrofunk).

Fanzines – Revista de fãs; edição impressa de informativo, normalmente reproduzido em fotocopiadora, com conteúdo de arte e comportamento, e com tiragem limitada e distribuição direcionada.

Flames – debates acalorados nas listas de discussão.

Flyers – Filipetas, panfletos “voadores”, repassados de mão em mão. A produção dos flyers representa uma atividade séria dentro da Cena da Música Eletrônica, pois repassa o conceito da festa, da rave, através da imagem, cores e programação visual.

Freebies – “Presentinhos-surpresa” dados ao público de um evento.

Freewares – Programas gratuitos de computador.

FTP – Serviço de transferência de arquivos na internet, para upload e download

Gabba – É o estilo mais hardcore (pesado e rápido) da eletrônica. Baseado na batida house e techno, o gabba chega a até mais de 200 bpm´s.

Garage band – Banda de garagem (normalmente de rock), alternativa, underground. – movimento musical ligado à cultura rock e caracterizado pelo lema “faça você mesmo”

Groove – A “levada” na música, é o encontro de sons percussivos em contra-tempo (baixo, atabaques, percussão, etc.), com as batidas, os beats.

Groove Box- Caixa de ritmo, máquina que produz beats, texturas e linhas de baixo.

Hard Disk (HD) – Disco rígido.

Homestudio – estúdio de som montado em residência.

Hostess – Pessoa que fica na entrada de um evento, recepcionando os espectadores e apresentando estes a proposta do evento. Em geral apresenta figurino compatível com o conceito do evento.

House – Nascida em Chicago (EUA), em 1986, esse estilo saiu da fusão, por parte do dj Frankie Knuckles, de elementos da soul music com a disco e batidas das baterias eletrônicas. Daí, surgem sub-gêneros como o garage (com bastante vocal gospel), e o deep house (o sub-gênero mais elegante do House, com linhas melódicas, melancólicas e minimalistas acima das batidas), o jazzy house (batidas com um instrumento solo – quase sempre um sax virtuoso -), dentre outros (acid house, disco house, tribal house, french house). 110 a 128 bpms. Hoje fala-se em até 133 bpms. O tech house é a sobreposição da batida techno sobre ao groove da house. 133-137 bpms.

IDM (Intelligent Dance Music) – Música cerebral. Texturas experimentais. Conceito que pode abarcar as vertentes da ambient e illbient music. Em geral.

LJ – Light Jockey. O dj da luz. Muito mais q um iluminador de pista, o lj entende a luz como forma de gerar novas sensações na pista de dança.

Laptop djs – Djs que “tocam” com computadores com softwares que simulam mixer, misturando arquivos mp3 ou wav.

Live Act (ou live pa) – É a performance, a apresentação ao vivo, do grupo ou do músico eletrônico em clubes, festas e raves.

Loop – repetição infinita de um sample sonoro, de um trecho sonoro.

Low technology – Instrumentos de produção não de “ponta”. Flyer produzido em fotocopiadora é produto low technology.

Mailings Lists – listas de endereços de e-mail

Mainstream: o oposto de Underground.

Marketing – atividade da comunicação e da publicidade que explora os mercados para dar visibiliade a produtos, pessoas ou instituições a partir da realização de eventos.

Mp3 – Tive de arquivo sonoro compactado com qualidade de wav (cd).

Mixar – Misturar. Na técnica do dj, significa juntar as batidas de duas ou mais músicas na mesma velocidade, nas mesmas bpms, buscando uma fusão ou uma passagem de uma música para a outra.

Off-Topics – Assuntos foram dos temas de uma lista de discussão.

Overground – A chegada do underground no mainstream sem abrir mão dos conceitos underground.

Plur – Iniciais em inglês das palavras Paz, Amor, União e Respeito, trata-se de uma expressão criada pelo DJ inglês Frankie Bones em 1992 e que sintetiza todos os conceitos da cultura da música eletrônica.

Promoter – Responsável pela concepção, promoção, divulgação e organização de uma festa.

Peer-to-peer (p2p) – Tecnologia de transferência de informação ponta-ponto, computador a computador, sem passar por sob controle de servidores.

Pitch – Recurso (botão) para acelerar/desacelerar a velocidade da execução da música.

Provedor – Central de informática (podendo ser um computador) que facilita o acesso à rede mundial de computadores, mesmo comercialmente

Rave – Festas em ambientes abertos (praias, sítios, fazendas) ou em galpões sempre fora do perímetro urbano.

Raver – Freqüentador de raves.

Remixar – Reeditar uma música em novo estilo, em nova tipo de batida. Fazer nova versão.

Sample – Trecho retirado (recortado) para posterior colagem a outros trechos (podendo ser voz, música, imagem…)

Sampler – Máquina de retirar, recortar trechos das músicas ou vídeo (sample).

Scratch – Técnica do dj em “arranjar”o disco, voltando-o e adiantando-o rapidamente com a mão e fazendo ruídos com intuitos percussivos.

Sequencer – Seqüenciador. Programa ou máquina que seqüência sons obedecendo uma programação.

Sets mixados – Uma seqüência gravada de música com mixagem do dj, normalmente em torno de 50 minutos, para demonstração do estilo do dj.

Site – Conjunto de páginas na internet, normalmente incorporando imagens, sons e texto.

Software – programa de computador.

Teaser – Uma espécie de pré-flyer, fazendo a divulgação inicial de um evento futuro sem oferecer maiores detalhes, buscando criar uma expectativa no público-alvo.

Technoparty – É a festa com música eletrônica em clubes e/ou em área mais urbanas da cidade, em ambientes fechados, principalmente.

Techno – Originado em Detroit (EUA), no início dos anos 80. Derrick May, Kevin Saunderson e Juan Atkins fazem uma fusão entre o som de Kraftwerk e batidas funks de George Clinton. O resultado é uma batidas seca, repetitiva, 4 por 4, sem vocais. O Kraftwerk é considerado um grupo Prototechno, por ser referência para a produção da Techno Music. 130 a 140 bpms.

Trance – Criado na Alemanha, já é uma derivação do techno. Texturas se sobrepõem às batidas. Som viajante. Menos groove. O hard trance acelera as batidas para até 150 bpm e o psy trance (em torno de 138/150 bpms) aumenta as camadas de texturas e efeitos sonoros e mistura com trechos de sons étnicos indianos (goa trance). O trance usa a estrutura e bpm da house ou do techno.

Trackers – software para montagem/remontagem de trilhas musicais.

Underground – Aquilo que está escondido, submerso, à margem. Mas no campo da arte,essa palavra assume outra conotação. É o que não está vinculado aos interesses do mercado de consumo tradicional, “mainstream”, meramente comercial, sem preocupação com a experimentação artística ou com as culturas “alternativas”.

Upload – Designa o envio de arquivos, também na internet

VJ – Video Jockey – O mixador de imagens em tempo real, pessoa que utiliza um banco de dados de imagens sampleadas de filmes, clips, fotos etc ou imagens geradas própria e ou ao vivo e mistura essas imagens durante a exibição em telão ou monitores, como forma de conectar a visualidade com o trabalho do dj. O dj das imagens.

Webzines – Revistas de fãs na www, normalmente com conteúdo ligado à arte e comportamento.

Wav – Tipo de arquivo sonoro com qualidade máxima digital (padrão cd).

World Wide Web – ambiente multimídia da internet. Também citado como www, web, ou w3.

…………………………………………………….
Caso faça cópia do presente glossário para publicação impressa ou site/blogs, por favor cite a fonte (Glossário retirado do site http://www.pragatecno.com.br). Glossário por Cláudio M., com colaboração de Ivo Michalick

Um comentário em “Glossário

  1. Aretha Brum
    31/05/2010

    Gostaria de parabenizar a equipe Pragatecno que há muito tempo faz um trabalho excelente de divulgação da E-music na região norte e nordeste.

    Sou de São Paulo e amante da e music no Brasil desde o ínicio dos anos 90 (quando o conceito de rave era beeem underground), além de dj (nas horas livres). Meu tcc é um glossário sobre cultura e música eletrônica. Torço para que no Brasil a gente possa contar com mais colaboradores para divulgar de forma positiva esta cultura tão maravilhosa.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: